Bolsonaro imita Getúlio

Nasce um caudilho? Esta era a pergunta que se fazia em Brasília nos corredores semidesertos do Congresso Nacional, pelos raros parlamentares que se encontravam na Capital, ao saberem que o presidente da República, Jair Bolsonaro, vai botar o pé na estrada e captar nas ruas, pessoalmente, as 300 mil assinaturas que faltam para completar o registro no TSE de seu partido Aliança pelo Brasil até a data fatídica de 15 de março. Com isto ele inscreve-se na História do Brasil ao lado de Getúlio Vargas, um presidente que também criou um partido para ele próprio enquanto era presidente, o PTB.

%bsbtimes- %bsbtimes
Getúlio Vargas. Foto: Google

Chama de caudilhismo

Não é usual no mundo dos presidentes, eleitos ou não, criarem eles próprio partidos políticos. Quando isto acontece, estabelece-se o que se chama de caudilhismo, um formato de liderança política muito própria da América do Sul hispânica, mas que teve, no Brasil, o exemplo de Getúlio Vargas, que chefiou pessoalmente a criação e o desenvolvimento do Partido Trabalhista Brasileiro, cujos remanescentes e herdeiros hoje dispersam-se por todo o espectro político da esquerda não ortodoxa e à direita tradicional.

Trilha de Vargas

Bolsonaro vai seguir a mesma trilha de Vargas, ou seja, seu partido sai do nada, sem fusões nem aquisições de legendas falidas, aglutinado seus adeptos em torno de sua pessoa e de suas ideias. Getúlio criou o PTB a partir de bases sindicais e de seguidores ideológicos fiéis, sem ligação com estruturas anteriores. Seu sistema de apoio convencional ele abrigou no antigo Partido Social Democrático, o PSD, esta sim uma agremiação que recebeu todos seus chefes e chefetes, que se converteu no principal partido da República de 1945 (também chamada de Segunda República).

Potência em 20 anos

O trabalhismo, por sua vez, nasceu nanico, foi crescendo até se tornar, em 1964, na segunda maior bancada no Congresso, com deputados estaduais, prefeitos e vereadores em todos os estados, e governadores em várias unidades da federação. Uma potência em 20 anos de vida na democracia, talvez mais do que a fulminante carreira do PT criado em São Paulo nos anos 1980 e que chegou ao poder 20 anos depois. O Aliança, como o PTB de 1944, nasce no gabinete presidencial. Seu chefe seria o caudilho, na definição dos cientistas políticos e dicionaristas.

Arregaçar as mangas

Bolsonaro vai participar dos mutirões de militantes arregimentados nas bases que lhe deram a votação de primeiro turno. Diferentemente de Getúlio, que criou seu PTB detrás de um birô no Palácio do Catete, no Rio, o presidente vai arregaçar mangas e participar de comícios-monstros em, pelo menos, nove capitais. Além disso, entra no processo desafiando seus adversários, por dar ênfase à filiação de correligionários no Nordeste, justamente nos lugares onde teve pior desempenho eleitoral nas últimas eleições de 2018. É seu estilo.

Revisão da imagem

Vencida a batalha, estando o Aliança nas eleições municipais, será uma epopeia política com força para provocar uma revisão da imagem e do papel do presidente no quadro político. É o que comentam seus lugares-tenentes, muito animados com a decisão do chefe de entrar de peito aberto. Nesta segunda-feira devem ser dados os primeiros passos, com a criação de um calendário de eventos.

BSBTimes

Edgar Lisboa/Repórter Brasília. Foto: Divulgação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui