Mercado Compartilhado, um novo modelo de negócio

Em 2000, nos Estados Unidos, surgiu um novo conceito: a sociedade deveria passar a consumir de maneira mais responsável e consciente

Após a crise econômica mundial, em 2008, esse pensamento se fortificou e se tornou o que chamamos hoje de “Consumo Colaborativo”. À época, os norte-americanos começaram a perceber que o seu ritmo de consumo era muito acelerado e os movimentos que repensavam essa maneira de consumir ganharam espaço e se multiplicaram. Nasce assim o conceito dos cinco C’s: Crie – Compartilhe – Curta – Comente – Convide = incremento de venda.

Marcada pelo compartilhamento de recursos, a economia compartilhada vem ganhando mais e mais força ao redor do mundo, e as grandes corporações podem entrar no barco ou serem atropeladas por ela.

O consumo colaborativo tem se provado um movimento duradouro, abrangente e revolucionário, razão pela qual um grande número de empresas inovadoras, como Patagônia, Toyota e NBC, por exemplo, já passaram a adotar estratégias baseadas no compartilhamento em seus principais negócios. A cadeia de valor da economia colaborativa mostra como as empresas podem repensar seus modelos de negócios tornando-se “prestadoras de serviços”, “fomentadoras de mercado” ou “provedoras de plataformas”.

As empresas com visão de futuro empregam um modelo, enquanto as mais inovadoras empregam todos os três, com a corporação no centro. No coração da economia colaborativa, estão empresas e projetos que surgiram a partir de variações sobre o tema do compartilhamento pessoa-para-pessoa (peer-to-peer). Carros, alimentos, serviços, motos, moradia, informação, tecnologia, entre outros bens, podem ser compartilhados.

A ascensão da economia colaborativa é direcionada e viabilizada por forças de mercado que agora estão convergindo. Quanto mais elas aceleram, mais cresce a tendência. O modelo já foi adotado por diversos setores e movimenta, no mínimo, US$ 100 bilhões de dólares (0,14% do Produto Interno Bruto mundial em 2012), segundo a consultora Rachel Botsman, uma das autoras do livro “O que é meu é seu”.

A estimativa não é exata, segundo ela, porque é difícil reunir dados precisos de alguns mercados. Notoriamente, a economia colaborativa é responsável por três pilares: social, com destaque para o aumento da densidade populacional, avanço para a sustentabilidade, desejo de comunidade e abordagem mais altruísta; econômico, focado em monetização do estoque em excesso ou ocioso, aumento da flexibilidade financeira, preferência por acesso X aquisição, e abundância de capital de risco; e tecnológico, beneficiado pelas redes sociais, dispositivos e plataformas móveis, e sistemas de pagamento.

Para pegar carona nos novos caminhos que as forças de mercado traçam, as empresas já existentes devem repensar seus modelos de negócios e incorporar um ou mais dos três modelos colaborativos “prestadoras de serviços”, “fomentadoras de mercado” ou “provedoras de plataformas”.

Ao fazê-lo, elas vão evoluir ao lado de seus clientes e consumidores – e não ser ultrapassadas por eles. Parece que agregar valor em cada nível gera retorno, uma vez que esses três modelos representam um aumento na maturidade, exigem um maior investimento e resultam em maior benefício em cada nível. Exemplos em grandes corporações são a Toyota alugando carros de concessionárias selecionadas e o Citibank patrocinando um programa de compartilhamento de bicicletas na cidade de Nova Iorque, como já ocorre no Brasil.

Em poucas palavras, o grande aprendizado para as empresas é o seguinte: o relacionamento com os clientes mudou, então liberte sua empresa para ganhar o mercado.

Fidelização de Clientes

O marketing de relacionamento é criar, manter e aprimorar fortes relacionamentos com os clientes e outros interessados. Além de elaborar estratégias para atrair novos clientes e criar transações com eles, as empresas empenham-se em reter os clientes existentes e construir com eles relacionamentos lucrativos e duradouros.

Os programas de fidelização são um processo que utiliza a comunicação integrada para estabelecer um relacionamento continuado, duradouro e gratificante com os clientes, visando aumentar a lealdade e a rentabilidade pelo mecanismo de reconhecimento e recompensa dos mais leais.

Conforme Bogman (2000, p. 20) “cliente fiel é aquele que sempre volta à organização por ocasião de uma nova compra ou transação, por estar satisfeito com o produto ou serviço. E fidelização é o processo pelo qual um cliente se torna fiel”. Para conquistar a fidelização, é necessário que as empresas invistam nos relacionamentos contínuos com os clientes. A fidelidade proporciona vantagens financeiras para a empresa. Manter o cliente fiel tem um custo financeiro menor do que conquistar novos clientes.

BSBTimes
Helio Rosa, Mercado CompartilhadoEbook Reduzir Desperdício

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui