Fiscais fecham 12 lojas no 1º dia de restrição em Ceilândia e na Estrutural

Ao todo, o DF Legal vistoriou 2.613 estabelecimentos, incluindo os do Pôr do Sol e Sol Nascente, e não aplicou nenhuma multa

Por Nathalia Cardin

A Secretaria DF Legal divulgou, na manhã desta terça-feira (09/06), o balanço do primeiro dia de fiscalização em Ceilândia, Estrutural, Sol Nascente e Pôr do Sol, após as restrições para atividades não essenciais. Segundo a pasta, foram vistoriados 2.613 estabelecimentos nas três regiões. Destes, 12 foram interditados.

A ação conjunta contou com a colaboração de outros órgãos do GDF, incluindo as forças de segurança, e foi deflagrada nessa segunda-feira (08/06) para verificar o cumprimento das medidas de segurança sanitária e de funcionamento previstas no Decreto nº 40.872/20.

No Sol Nascente e Pôr do Sol, oito comércios foram interditados. Na Estrutural, uma loja também precisou fechar. Em Ceilândia, três estabelecimentos comerciais foram interditados pela fiscalização e um acabou notificado por não cumprir o que determina o decreto. Os motivos não foram especificados.

Ainda de acordo com o DF Legal, não houve multa aplicada por conta da ausência do uso da máscara de proteção facial.

O novo decreto do governo local que restringe as atividades em Ceilândia, Pôr do Sol, Sol Nascente e na Estrutural por 72 horas entrou em vigor nessa segunda. A medida visa conter a proliferação do novo coronavírus.

A situação de Ceilândia chama atenção pelo crescimento do número de casos, acima da média no Distrito Federal. A comparação nos últimos 15 dias assusta: a cidade saiu de 575 registros no dia 24 de maio para 2.040 nesse domingo (07/06), segundo dados da Secretaria de Saúde, ou seja, um aumento de 254,7%. No DF, o índice no mesmo período foi de 181,6% (de 5.902 para 16.623).

Sobre o número de mortes, Ceilândia partiu de 23 óbitos no dia 24 de maio para 43 no domingo: aumento de 86,9%. Nesse caso, o número é menor se comparado ao da capital, que dobrou: de 98 para 196.

Com o decreto, ficam suspensas, por 72 horas, as seguintes atividades:

  • Eventos, de qualquer natureza, que exijam licença do poder público;
  • Atividades coletivas de cinema e teatro;
  • Academias de esporte de todas as modalidades;
  • Museus;
  • Parques ecológicos, recreativos, urbanos, vivenciais e afins;
  • Boates e casas noturnas;
  • Atendimento ao público em shoppings centers, feiras populares e clubes recreativos;
  • Cultos e missas de qualquer credo ou religião;
  • Estabelecimentos comerciais, de qualquer natureza, inclusive bares, restaurantes, lojas de conveniências;
  • Salões de beleza e centros estéticos.

E o que pode funcionar:

  • Clínicas e consultórios médicos e odontológicos, laboratórios e farmácias;
  • Clínicas veterinárias, somente para atendimento de urgências;
  • Supermercados, hortifrutigranjeiros, minimercados, mercearias, açougues, peixarias, comércio estabelecido de produtos naturais, bem como de suplementos e fórmulas alimentares, sendo vedado, em todos os casos, a venda de refeições e de produtos para consumo no local;
  • Padarias e lojas de panificados, apenas para a venda de produtos, sendo vedado o fornecimento de refeições de qualquer tipo para consumo no local;
  • Lojas de materiais de construção e produtos para casa, incluídos os home centers;
  • Postos de combustíveis;
  • Lojas de conveniência e minimercados em postos de combustíveis, sendo vedados o consumo de produtos no local e a disponibilização de mesas e cadeiras;
  • Petshops e lojas de medicamentos veterinários ou produtos saneantes domissanitários;
  • Relativas a toda a cadeia do segmento de veículos automotores;
  • Empresas que firmarem instrumentos de cooperação com o Distrito Federal no enfrentamento da emergência de saúde pública relativas ao coronavírus ou à dengue nas áreas de atendimento à saúde básica, atendimento odontológico, assistência social e nutrição, tanto para o fornecimento de alimentação preparada com embalagem para retirada individual, quanto para recolhimento e distribuição de alimentos em programas para garantir a segurança alimentar;
  • Funerárias e serviços relacionados;
  • Lotéricas e correspondentes bancários;
  • Lavanderias, exclusivamente no sistema de entrega em domicílio;
  • Floriculturas, exclusivamente no sistema de entrega em domicílio;
  • Empresas do segmento de controle de vetores e pragas urbanas;
  • Atendimento ao público em todas as agências bancárias e cooperativas de crédito no Distrito Federal, públicas e privadas;
  • Sistema S (Senai, Sesc, Sesi, Senac, Senar, Sescoop. Sebrae, Sest, Senat);
  • Óticas.

BSB TIMES com informações do Metrópoles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui