Escolas particulares propõem ao GDF volta de aula presencial em 20 de julho

Protocolo de profilaxia entregue ao GDF nesta quinta-feira (25/06) prevê uma série de medidas sanitárias para o retorno dos alunos

Fonte: Metrópoles, Manoela Alcântara

O Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Distrito Federal (Sinepe) entregou ao GDF, na manhã desta quinta-feira (25/06), uma proposta de retorno das aulas presenciais.

No cronograma sugerido pela entidade, que representa 450 da 570 instituições privadas da capital, está prevista a volta às aulas em ambiente físico para o dia 20 de julho.

O documento prevê o retorno gradativo, dividido por níveis de ensino e obedecendo um protocolo de profilaxia rígido, a fim de evitar a contaminação do novo coronavírus entre os 180 mil alunos da rede.

A sugestão é de volta dos ensinos infantil e médio em 20 de julho. Os ensinos fundamental 1 (do 1º ao 5º ano) e profissionalizante retomariam atividades no dia 27 do mesmo mês. Já os estudantes do 6º ao 9º teriam a opção das aulas presenciais a partir de 3 de agosto.

“Segundo diversos boletins publicados pela Secretaria de Educação do Distrito Federal observa-se que a incidência de contaminados pela Covid-19 na faixa etária de 1 a 19 anos é extremamente baixa . Por isso, um retorno gradativo servirá de análise estratégica para as autoridades quanto a movimentação da população”, diz o protocolo assinado pelo Sinepe como sugestão para retorno da educação básica.

Para que os alunos possam voltar em segurança, o Sinepe propõe ainda um modelo que possa garantir a segurança dos estudantes. Será medida a temperatura dos alunos e os donos das instituições deverão fornecer Equipamento de Segurança Individual (EPIs), como máscaras, a todos os funcionários.

Espaços físicos

Todos os espaços físicos, pela proposta, devem ser readequados com pelo menos um metro de distância por estudante. Haverá ainda delimitação por meio de sinalização de capacidade máxima de pessoas dentro das salas, em bibliotecas, ambientes compartilhados, como elevadores, entre outros.

Os horários de intervalos e refeições devem ser escalonados, a fim de evitar aglomerações.

Todas as portas ficarão abertas para melhor circulação de ar. Além disso, as escolas deverão ter recipiente de álcool em gel em todas áreas, tapete sanitizante, entre outros.

Todas as mudanças e o cronograma precisam ser aprovados pelo GDF para entrar em vigor. Essa é uma sugestão, tendo em vista a vontade das escolas de retornarem as aulas presenciais.

A reportagem acionou a Secretaria de Educação para comentar o assunto. Assim que a reposta for enviada, será acrescentada ao texto.

Reprodução: BSB TIMES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui