Impacto da pandemia na economia pode não ser tão grande

Pesquisa do varejo realizada pelo IBGE em maio apontam uma recuperação de 13.9% em relação aos meses anteriores.

Por Rogério Cirino *

Números positivos já eram esperados, porém vieram bem acima das espectativas do mercado, que projetava quase a metade (7%).

Em números mensais relativos é o número já registrado pelo instituto.

Em alguns setores os números foram ainda mais marcantes, vestuário, por exemplo, cravou mais de 100% de aumento, móveis e eletrodomésticos 47,5%.

Tiago Lucero, especialista em antropologia econômica, aponta para peculiaridades da crise econômica causada pela pandemia.

Segundo ele está é uma crise deflacionária (diferente das crises inflacionárias que o país costuma enfrentar).

“É um cenário que se aproxima daquele do pós-guerra, com pessoas avidas por consumir, o que chamamos de demanda repremidida.

Some-se isso às modificações no comportamento de consumo causados pela pandemia e podemos ter uma gama de pessoas com vontade e recursos, é simples: se a massa salarial retraiu 7,3%, conforme números oficiais, é de se esperar que as famílias tenham reduzido gastos ainda em maior medida, e que possivelmente irão continuar a reduzir, o menor gasto com combustível é um exemplo.

Esses recursos as famílias acabam direcionando para o varejo em outros setores.

É um ciclo renovado.”

Reservado o otimismo do pesquisador, as projeções ainda apontam para uma retração do PIB na casa dos 6%.

*Com informações do Correio Brasiliense

BSB TIMES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui