Professor francês decapitado mostrou caricaturas de Maomé em sala de aula

Pessoas prestam homenagem ao professor - foto Reuters

Samuel Paty foi morto por suposto islâmico

Fonte: Agência Brasil, com informações da Reuters

Uma 11ª pessoa foi detida neste domingo (18), disse a polícia francesa, enquanto autoridades investigam o assassinato de Samuel Paty, um professor de história que foi decapitado por um suposto islâmico em um ataque que chocou o país.

A revista satírica Charlie Hebdo, cujos escritórios foram atacados em um assassinato em massa há cinco anos, está entre os grupos que organizam uma homenagem a Paty em Paris.

Leia também:

EUA: moradores confundem estátua de “Jesus sem teto” com mendigo e chamam a polícia

Itália tem recorde de casos de covid-19

 

O professor, de 47 anos, foi morto na sexta-feira (16), em frente à sua escola em um subúrbio de Paris. O agressor – de 18 anos, nascido na Rússia e de origem chechena – foi morto a tiros pela polícia logo após o ataque.

O professor havia mostrado a seus alunos neste mês cartuns do profeta Maomé em uma aula sobre liberdade de expressão, irritando vários pais muçulmanos. Os muçulmanos acreditam que qualquer representação do profeta é blasfêmia.

Participe do grupo do BSB Times no Whatsapp e receba notícias que você não vai ler na imprensa tradicional

Entre para nosso grupo no Facebook e veja o que o pessoal esta comentando

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui