Se hoje na França se faz charges de Maomé, Napoleão fazia festas para honrá-lo

A República francesa o costume de provocar reações de extremistas islâmicos com dessacralizações do Profeta, não é uma atitude normal. Napoleão Bonaparte, tinha uma abordagem completamente diferente em relação a esta questão.

Hoje na República da França, políticos e setores da sociedade civil defendem o direito de que seus cidadãos possam debochar de todas as formas da figura reverenciada por 10% de sua população muçulmana, o Profeta Muhammad (Maomé). Após o trágico incidente no qual um professor foi morto após exibir em sala de aula uma foto na qual a figura do profeta foi retratada como um homem na posição islâmica de oração com o anus aberto, o debate sobre políticas mais repressoras em relação aos muçulmanos franceses voltou a tona.

A República francesa o costume de provocar reações de extremistas islâmicos com dessacralizações do Profeta, não é uma atitude normal. Napoleão Bonaparte, tinha uma abordagem completamente diferente em relação a esta questão.

Segundo o historiador egípcio Abdulrahman al-Jabarti, em seu livro “As maravilhosas composições de biografias e eventos”, em agosto de 1798, dois meses após sua chegada no Cairo e de sua vitória sobre os mamelucos na Batalha das Pirâmides, durante a invasão do Egito, Napoleão Bonaparte comissionou, juntamente com os eruditos da Universidade de al-Azhar, uma suntuosa celebração em honra do nascimento do Profeta Muhammad (Mawlid an Nabawi ou Feté de Mahomet), onde o líder francês comeu com as mãos a moda islâmica e atendeu a apresentação de dervixes sufis, e das massas muçulmanas que entoavam poemas de elogios ao Profeta pelas ruas da cidade em cortejos suntuosos.

Napoleão, para tentar agradar seus novos súditos muçulmanos, os quais via pragmaticamente como úteis em seu jogo político para dominação do Oriente Médio, escreveu uma proclamação em 2 de julho de 1789 na qual dizia:

“Em nome de Allah, o Clemente, o Misericordioso.

Não há divindade além de Allah. Ele não tem filho, nem tem um associado em seu domínio. Infelizmente, esse grupo de mamelucos, importados das montanhas de Circassia e da Geórgia, agiu de forma corrupta durante séculos na terra mais bonita que se encontra na face do globo (o Egito). No entanto, o Senhor do Universo, o Todo-Poderoso, decretou o fim de seu poder. Ó egípcios, eles podem dizer a vocês que eu não fiz uma expedição aqui para qualquer outro objetivo além daquele de abolir sua religião; mas isso é pura falsidade e vocês não deve dar crédito a isso, mas diga aos caluniadores que eu não vim a vocês exceto para o propósito de restaurar seus direitos das mãos dos opressores e que eu mais do que os mamelucos, sirvo a Allah. – Que Ele seja louvado e exaltado – e reverencio Seu profeta Muhammad e o glorioso Alcorão.

Ó qadis, sheykhs e imãs; digam à sua nação que os franceses são também muçulmanos fiéis e, em confirmação disso, invadiram Roma e destruíram a Sé Pontifícia, que sempre exortava os cristãos a guerrearem com o Islã. E então eles foram para a ilha de Malta, de onde eles expulsaram os Cavaleiros, que afirmavam que Deus, o Exaltado, exigia que eles lutassem contra os muçulmanos. Além disso, os franceses sempre se declararam os mais sinceros amigos do sultão otomano e inimigos de seus inimigos, que Deus perpetue seu império! E, ao contrário, os mamelucos negaram sua obediência ao sultão e não seguiram suas ordens. Na verdade, eles nunca obedeceram a nada além de sua própria ganância!Bênção sobre bênção aos egípcios que agirão de acordo conosco, sem qualquer atraso, pois sua condição será devidamente ajustada e sua posição elevada. Mas ai da aflição para os que se unirem aos mamelucos e os ajudarem na guerra contra nós, pois não encontrarão o caminho da fuga, e nenhum vestígio deles permanecerá.”

Já durante seu exílio em Santa Helena anos mais tarde, Napoleão criticou a peça satírica Mahomet de Voltaire e disse que o escritor francês tornara o Profeta em apenas um impostor e tirano, sem representá-lo como o grande homem que foi:

”Voltaire no caráter e na conduta de seu herói, se afastou tanto da natureza quanto da história. Ele degradou Maomé, fazendo-o descer às intrigas mais baixas. Ele representou um grande homem, que mudou a face do mundo, agindo como um canalha, digno da forca. Ele não fez uma caricatura menos absurda do personagem de Omar, que desenhou como o de um assassino em um melodrama.”

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui