O Rei que ameaçou converter-se ao Islã

No século XII, furioso com o arcebispo de Canterbury, o rei Henrique II da Inglaterra ameaçou abandonar o cristianismo pelo islamismo. Mas o quão sério ele estava? E o que teria acontecido se ele realmente se convertesse?

Se há algo a aprender sobre Henrique com o episódio, é talvez que ele se importava muito mais com o temporal do que com o divino. Embora um homem supersticioso, Henrique não era religioso. Os cronistas protestaram contra sua falta de piedade, alegando que ele nunca ficava sentado na igreja. Henrique ficou tão entediado na missa que rabiscou peticionários. Sua ameaça de se converter ao Islã é um indicativo de quão pouco a religião significava para ele e, como resultado, o quanto ele se ressentia da autoridade papal quando ela o atrapalhava. Por todas as razões pelas quais o Islã pode ter apelado para Henrique, uma das mais atraentes certamente seria que, ao contrário do Cristianismo, não tinha autoridade centralizada, nenhum poder supranacional. Que gratificante pensar: nenhum papa muçulmano para impedi-lo de demitir seu próprio arcebispo.

Na primavera de 1168, Henrique II, rei da Inglaterra, escreveu ao papa Alexandre III. Embora a correspondência entre monarca e o pontífice fosse normal, esta carta era notável pela ameaça que projetava. Pois Henrique estava ameaçando se converter ao Islã.

Não era incomum que Henrique fizesse ameaças: elas eram fundamentais para seu arsenal de realeza, tão vitais quanto suas explosões estrondosas cuidadosamente calculadas, sua diplomacia, a velocidade lendária com que ele dirigia seus exércitos e sua guerra de cerco insuperável para inspirar admiração entre seus adversários. Henrique não discriminou entre os destinatários de suas ameaças, desde o papa até os humildes eleitores de Winchester, a quem certa vez ordenou que “realizassem uma eleição livre”, mas proibiu “de eleger qualquer um que não fosse Ricardo, meu escrivão”.

Mas isso era de uma ordem totalmente diferente. Desde 1097, os cruzados europeus lutavam contra as forças do Islã no Oriente Médio e se apegavam tenazmente às suas conquistas: o reino de Jerusalém, o principado de Antioquia, os condados de Edessa e Trípoli. Os muçulmanos eram vistos como inimigos da cristandade.

Cristãos e muçulmanos lutam no cerco de Antioquia durante a Primeira Cruzada. Entretanto, a rica tradição intelectual do Islã ganhou muita admiração na Europa medieval. (Foto por Fine Art Images / Heritage Images / Getty Images)

 

Além disso, Henrique não era simplesmente o rei da Inglaterra: ele também era o duque da Normandia e da Aquitânia, conde do Maine, Anjou e Touraine, senhor de vastas áreas da França. Um dos homens mais poderosos do mundo, ele dominou desde as fronteiras da Escócia até o Oriente Médio, onde seus tios governavam o reino latino de Jerusalém. Se Henrique estivesse falando sério, as ramificações na Europa do século XII seriam sísmicas.

Henrique estava familiarizado com o Islã. Ele teria estudado as obras de Petrus Alfonsi, médico de seu avô Henrique I, que escreveu o primeiro relato confiável de Muhammad, bem como Pedro, o Venerável, que ordenou a primeira tradução do Alcorão para o latim. Embora ele considerasse o Islã uma heresia, Pedro o considerou a maior de todas as heresias – a que mais merecia ser respondida.

Ao lado do islamismo, Henrique também desenvolveu uma admiração pelo aprendizado do árabe desde cedo. Ele recebeu uma educação excelente de estudiosos versados ​​no “novo” conhecimento que estava explodindo na Sicília, Espanha e Oriente Médio. A Europa Ocidental nunca experimentou um período tão emocionante intelectualmente como o século XII – mais tarde apelidado de renascimento do século XII – alimentado por uma redescoberta dos pensadores clássicos da Grécia e de Roma (particularmente a Roma cristã após a conversão de Constantino), e pelo contato com o mundo árabe e sua rica tradição intelectual em astronomia, medicina, música, arquitetura e matemática.

Os pais de Henrique – dando ouvidos à lição do monge William de Malmesbury de que “um rei sem letras é [apenas] um asno com uma coroa” – contrataram os melhores tutores da Europa. Entre eles estava o renomado arabista, linguista e cientista Adelardo de Bath, que teve um impacto profundo na educação de Henrique. Adelardo viajou por sete anos na Itália, Sicília, Antioquia e na costa sul do que se tornaria a Turquia, dedicando-se aos “estudos dos árabes”. Ele era famoso por suas traduções para o latim de tratados árabes sobre astronomia e por introduzir inovações árabes em matemática na Inglaterra e na França. Adelardo dedicou De opera astrolapsus – seu trabalho sobre a inovação árabe do astrolábio – a Henrique.

O interesse de Henrique continuou na idade adulta. Ele deu as boas-vindas a estudiosos viajantes, principalmente árabes, em suas cortes. Ele sabia o suficiente sobre o aprendizado do árabe para solicitar textos específicos de diplomatas que viajavam para a Sicília e o reino de Jerusalém. E Henrique admirava tanto as artes islâmicas que quando construiu um palácio para sua amante Rosamund Clifford, em Woodstock, ele imitou os palácios do reino normando na Sicília, com fontes e pátios. O palácio foi posteriormente destruído, mas seu estilo, repleto de motivos árabes, era único no norte da Europa.

Por que Henrique II ameaçou se converter ao Islã?

É o grande respeito do rei pelo Islã e pela cultura árabe. Mas o que foi que levou Henrique a fazer a ameaça em primeiro lugar? A resposta pode ser encontrada na carta de Henrique, onde ele diz ao Papa Alexandre que “preferiria aceitar os erros de Nur al-Din [o sultão de Aleppo] e se tornar um infiel, do que permitir que Thomas [Becket] dominasse a Catedral de Canterbury por mais tempo”.

Thomas Becket, arcebispo de Canterbury, conversando com Henrique II em um manuscrito do século XIV. Os dois amigos discutiram sobre o papel da igreja. (Imagem de Bridgeman)

Agora as coisas ficam um pouco mais claras: é 1168, e a briga de Henrique com seu antigo amigo Thomas Becket está em seu quinto ano cansativo. Henrique havia elevado Thomas, nomeando-o para o cargo de chanceler logo após sua ascensão. Ele foi “considerado atrás apenas do rei”. Henrique tinha tanta fé em Thomas para cumprir suas ordens que depois que Theobald, arcebispo de Canterbury, morreu em 1161, ele armou fortemente um relutante Becket para assumir a dupla posição de chanceler-arcebispo, apesar dos avisos da mãe de Henrique, a Imperatriz Matilda e do próprio Thomas. Thomas achou que era ridículo, protestando que Henrique e ele sabiam “com certeza que se eu for promovido a essa dignidade, terei que perder o favor do rei ou… meu serviço ao Deus Todo-Poderoso”.

Henrique ignorou todas as objeções, sem prestar atenção à sua mãe e até mesmo ameaçando os monges de Canterbury (que não queriam Thomas como seu arcebispo) com sua raiva se eles deixassem de eleger seu candidato. A principal preocupação de Henrique era garantir a sucessão coroando seu filho mais velho vivo. Era sua tentativa de evitar outra corrida manchada de sangue ao trono quando morresse – como acontecera com a morte de todos os monarcas, exceto Estêvão, desde a conquista normanda. O direito de coroar os reis da Inglaterra era prerrogativa dos arcebispos de Canterbury, e Henrique esperava que Thomas atendesse a seu desejo.

Em vez disso, Henrique descobriu que havia instalado um zelote, um soldado agora pelo Cristo eterno em vez de seu rei temporal. Henrique ficou furioso quando Thomas renunciou à chancelaria; o rei e o arcebispo logo travaram uma batalha pela supremacia entre a Igreja e o Estado. O equilíbrio do compromisso – pelo qual os reis deram dignidade a seus arcebispos e, por sua vez, os arcebispos procuraram agradar seus reis – foi feito em pedaços.

Barões bandidos

A principal fonte de atrito era sobre qual tribunal – o do rei ou da igreja – deveria governar os clérigos acusados ​​de cometer crimes. Henrique estava preocupado com o fato de que tribunais eclesiásticos separados operavam em conjunto com os seus, mas também se irritava com o fato de as punições aplicadas serem insignificantes. Nem o rei nem o arcebispo se moveram.

Quando Henrique, tentando se livrar de Thomas, acusou-o de desprezo à autoridade real e peculato em 1164, Thomas previu sua prisão e até a morte. Ele foi lembrado por alguns dos barões mais valentões de Henrique que o próprio pai do rei, Geoffrey de Anjou, havia castrado alguns de seus clérigos por sua desobediência, forçando-os a “carregar seus membros” diante dele em uma bacia. Petrificado, Thomas fugiu para a corte de Luís VII da França, onde foi oferecido refúgio alegremente. Luís, o primeiro marido da esposa de Henrique, Leonor de Aquitânia, sempre ficava satisfeito em criar problemas para seu senhor mais poderoso – Henrique devia lealdade ao rei francês por suas terras no continente.

Luís, tão piedoso quanto Henrique era mundano, oferecera santuário não apenas a Thomas; ele também deu refúgio ao papa Alexandre III quando ele deixou Roma em 1159 após uma eleição dividida que resultou no primeiro de uma série de antipapas a ocupar o trono papal.

O papa Alexandre também devia muito a Henrique, que o apoiou ao lado de Luís. Alexandre precisava do apoio de Henrique, e a briga sobre Becket o colocou em uma posição impossível. Embora ele possa ter simpatizado com um amargo Thomas, ele foi compelido a trilhar um caminho cuidadoso. Pelos próximos anos ele iria procrastinar, mesmo permitindo que Thomas desabafasse sobre a destruição da igreja por Henrique por meio de seus “costumes malignos”. (Como se viu, os temores de Becket eram justificados. Ele foi assassinado dois anos depois que Henrique escreveu sua carta ao papa.)

A ameaça de conversão de Henrique foi como um cassetete acenado diante do papa com mais força para persuadi-lo a remover Thomas de seu posto. Ele já havia ameaçado Alexandre antes. Oito anos antes, ele havia buscado uma dispensa papal para permitir que seu filho de cinco anos se casasse com a filha pequena de Luís, Margaret, permitindo-lhe dominar o Vexin, um condado francês importante que era o dote de Margaret. Ele havia intimidado os embaixadores de Alexandre, fazendo-os pensar que apoiaria o rival do papa, o antipapa Victor IV, se ele não conseguisse o que queria, e Alexandre acatou. Já havia funcionado antes, então Henrique provavelmente acreditava que o papa cederia novamente em face de sua estranha ameaça. Pelo que sabemos, entretanto, Alexandre não respondeu diretamente, mas continuou a pressionar por negociações entre Henrique e Becket.

Um homem do mundo

Quanto a se Henrique algum dia teria cumprido a ameaça, é improvável. Um praticante da realpolitik, ele estaria muito ciente dos perigos. Apesar de seu domínio do poder, Henrique não seria capaz de negar que seu direito divino à coroa da Inglaterra vinha do cristianismo. A sociedade cristã foi estruturada de uma maneira muito diferente do Islã; era principalmente uma sociedade agrária e feudal. A sociedade islâmica permitia um nível razoavelmente alto de mobilidade social e era muito menos rígida do que o feudalismo cristão ocidental. O império de Henrique foi baseado em um sistema intrincado de juramentos e obrigações.

Henrique (à esquerda) e sua nora Margaret da França recebem um enviado. O rei sabia que a conversão significaria abrir mão de seu direito divino à coroa. (Imagem de Bridgeman)

 

A conversão de Henrique provavelmente teria exigido a conversão em massa de todos os diferentes povos nas terras sob seu governo, de Nortúmbria à Aquitânia. As implicações administrativas por si só teriam sido imensas. O que seria dos milhares de bispos e padres? O árabe teria substituído o latim como língua franca? Teria havido um novo currículo nas universidades? Henrique teria desenvolvido a lei árabe ao invés da inglesa? Com quais califados ele teria feito suas novas alianças? Qual teria sido o efeito nas cruzadas?

Considere as centenas de anos de caos provocadas pelo descendente de Henrique, o oitavo Henrique, com sua separação da Inglaterra da Igreja Católica Romana – caos que resultou em guerra civil e a eventual execução de um rei. Podemos apenas imaginar a confusão que teria ocorrido se Henrique II se convertesse ao Islã. Conversões em ambas as direções aconteceram, particularmente nas terras onde o Cristianismo e o Islã se encontraram – mas os convertidos não eram reis ou rainhas. Tal empreendimento estaria além dos talentos diplomáticos e administrativos até mesmo de um rei tão excepcional como Henrique II.

Para saber mais. assista a série Tudors, que ilustra bem este fato historico.

FONTE: HISTORIA ISLÂMICA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui