A proibição do Twitter de Trump será ‘explorada por inimigos da liberdade de expressão’: disse o ativista russo Navalny

‘Na minha opinião, a decisão de banir Trump foi baseada em emoções e preferências políticas pessoais’

O líder da oposição russa Alexey Navalny chamou a proibição do presidente Trump pelo Twitter de um “ato inaceitável de censura” que poderia ser explorado por governos opressores em todo o mundo.

A conta de Trump, @realdonaldtrump, foi banida pelo gigante da mídia social na sexta-feira após a resposta do presidente aos tumultos no Capitólio nesta semana. 

“Na minha opinião, a decisão de banir Trump foi baseada em emoções e preferências políticas pessoais”, escreveu Navalny no Twitter.

Ele observou que o presidente vinha escrevendo “coisas muito irresponsáveis” na plataforma, mas pagou por isso perdendo a reeleição. 

“Não me diga que ele foi banido por violar as regras do Twitter. Recebo ameaças de morte aqui todos os dias por muitos anos, e o Twitter não proíbe ninguém (não que eu peça isso)”, continuou Navalny. Ele observou que “assassinos de sangue frio” como o presidente russo Vladimir Putin e o presidente venezuelano Nicolás Maduro são permitidos na plataforma. 

Navalny, o adversário mais visível de Putin, foi levado de avião para a Alemanha dois dias depois de adoecer em 20 de agosto em um voo doméstico na Rússia. Os laboratórios determinaram que ele foi exposto a um agente nervoso Novichok da era soviética, e Navalny desde então afirmou que agentes de Putin tentaram envenená-lo. 

Navalny disse que há muitos exemplos de empresas privadas como o Twitter se tornando “melhores amigas” da Rússia e da China e atendendo a pedidos de censura. 

“Este precedente será explorado pelos inimigos da liberdade de expressão em todo o mundo. Na Rússia também”, disse o dissidente russo. “Sempre que precisarem silenciar alguém, eles dirão: ‘Esta é uma prática comum, até Trump foi bloqueado no Twitter’.” 

Navalny convocou o Twitter para criar um comitê que lidaria com as decisões sobre quem pode ou não tweetar. “Precisamos saber os nomes dos membros desse comitê, entender como funciona, como seus membros votam e como podemos apelar de suas decisões”.

O Twitter também baniu a conta de campanha de Trump “Team Trump” e os aliados do presidente como o general Michael Flynn e o advogado Sidney Powell. 

Os conservadores soaram o alarme de que podem ser a próxima vítima da repressão Big Tech. 

“O Twitter pode me banir por isso, mas eu aceito de bom grado esse destino”, twittou a senadora Lindsey Graham, RS.C., no sábado. “O aiatolá pode twittar, mas Trump não. Diz muito sobre as pessoas que administram o Twitter.”

O Twitter defendeu a proibição, que se seguiu a um ataque ao Capitólio no início desta semana que deixou cinco pessoas mortas – incluindo um policial – e vários legisladores abalados pedindo que Trump renunciasse ou sofresse um impeachment.

“Após uma análise detalhada dos tweets recentes da conta @realDonaldTrump e do contexto em torno deles – especificamente como estão sendo recebidos e interpretados dentro e fora do Twitter – suspendemos permanentemente a conta devido ao risco de mais incitamento à violência”, afirma a empresa escreveu em uma postagem do blog na sexta à noite.

A plataforma bloqueou temporariamente a conta de Trump no início desta semana – um movimento sem precedentes – depois de dublar vários de seus tweets como contribuintes do cerco ao Capitólio na quarta-feira. Os legisladores estavam realizando uma sessão conjunta para contar as cédulas do Colégio Eleitoral que confirmavam que Trump havia sido derrotado pelo desafiante democrata Joe Biden.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui