Cantores que arruinaram suas carreiras por causa das drogas.

Pop, drogas e fundo do poço.  Analisando todos os aspectos da fama, afirmamos que o estrelato e o uso de drogas andam lado a lado, sempre tem algum famoso que tem ou tiveram problemas por uso de entorpecentes, e nem sempre todos conseguem se recuperar do vício e suas vidas são ceifadas por conta do uso abusivo de substâncias ilícitas.

Vejam abaixo alguns exemplos:

Whitney Houston

Em dezembro de 2002, depois de se consagrar como uma das vozes mais potentes do mundo, a cantora Whitney Houston revelou em uma entrevista que sofria de depressão desde a adolescência e que, por conta disso, era usuária de quantidades excessivas de cocaína, maconha e álcool.

Em fevereiro de 2012, aos 48 anos, a cantora foi encontrada morta em uma banheira de hotel, em Los Angeles. Embora tivessem vestígios de cocaína no local da morte, a causa divulgada pelos legistas foi afogamento acidental.  Ela foi uma das maiores cantoras que o mundo já viu.  Ela fez seu nome no cinema também participando do filme “O Guarda-Costas” em 1992, atuando com Kevin Costner.

Whitney Houston

Amy Winehouse

No dia 23 de julho de 2011, o mundo acordava mais triste com a partida de um dos principais nomes da música mundial: Amy Winehouse. A cantora, que passava por uma fase conturbada envolvendo o consumo exagerado de álcool e drogas, tinha apenas 27 anos quando foi encontrada morta em sua casa, na capital inglesa.        O “fundo do poço” da Rainha do Soul envolveu a apresentação de alguns shows na qual a cantora não conseguia nem mesmo parar em pé no palco.

Amy Winehouse

George Michael

George Michael também foi um dos nomes da música pop que atrapalhou a carreira por conta do consumo excessivo de drogas. O cantor chegou a ser internado, em 2015, em uma clínica de reabilitação para tentar conter o vício em substâncias químicas.   Em dezembro de 2016, George foi encontrado morto em sua casa. Segundo exames, a morte aconteceu por conta de problemas no fígado e coração.

George Michael

Prince

Um dos grandes colaboradores para a construção da música pop como conhecemos hoje, Prince também foi uma das vítimas do uso abusivo de álcool e drogas. Em abril de 2016, o músico foi encontrado morto em um elevador de sua residência, nos Estados Unidos.    Depois de um exame médico, foi revelado que uma quantidade excessiva de Fentanyl, uma droga 50 vezes mais forte que a heroína, estava no sangue do cantor.

Prince

Aqui no Brasil, também tivemos alguns casos que comoveram o país:

Tim Maia

Era adepto de outros hábitos que não contribuíram para sua saúde, bebia muito e usava drogas. Seu drinque preferido era uísque, e a droga que mais consumia era maconha. Isso não impediu, entretanto, que fosse também usuário de cocaína por um bom período de tempo — assim como outros tantos artistas da época.

Tim também tinha problemas com os compromissos que fazia por conta de seus vícios, muitas vezes não comparecia a shows e nem para gravações ou participações na televisão. Isso tudo foi minando a imagem do artista, que necessitava dessas coisas para manter a carreira relevante.

Tim Maia faleceu em março de 1998, aos 55 anos, depois de ter sido internado após passar mal no palco. Como diria o próprio cantor “Eu não bebo, não cheiro e não fumo, só minto um pouquinho”. Sempre de espírito alegre e cheio de ironia, deixou um legado enorme na música brasileira.

Tim Maia

Chorão – Charlie Brown Jr.

Um dos últimos grandes poetas da música brasileira, Chorão morreu em 2013, aos 42 anos. Além de vocalista, Chorão era responsável pelas letras do Charlie Brown Jr. e pelo direcionamento artístico e executivo da banda. Segundo informou uma amiga próxima à família do artista. Ele estaria se negando a procurar tratamento contra a dependência.

De acordo com a fonte ouvida na época, Chorão era viciado em cocaína há anos e intercalava períodos de sobriedade com recaídas. “Não sei dizer o motivo pelo qual ele se drogava. Não era uma fuga, não era um problema com ninguém. Acho que ele quis viver o estilo de vida rock and roll”.

Curiosidade: Chorão era primo da apresentadora Sônia Abraão da Rede TV!

Chorão

Elis Regina

Então a maior cantora do Brasil, Elis Regina foi achada morta em seu apartamento num dia de sol, aos 36 anos, vítima de overdose de cocaína e álcool.

Mantendo a revolução no meio musical brasileiro que acompanhou a vida da cantora considerada por muitos a maior do Brasil. Mas desta vez o motivo era outro. O laudo médico divulgado na sua morte incluía intoxicação por álcool e cocaína, mistura fatal consumida pela cantora sozinha no quarto de dormir. O namorado, o advogado Samuel Mac Dowell de Figueiredo, arrombou de manhã a porta do apartamento da rua Melo Alves, em São Paulo, e levou a cantora nos braços para o hospital, atraindo a curiosidade dos 25 mil fãs que consumiram as quatro milhões de cópias dos seus 27 LPs, 14 compactos e seis duplos. Não se falava em outra coisa.

Elis Regina

Fontes: showlivre.com – falauniversidades.com.br – uol.com.br – observatoriodaimprensa.com

Fotos: Google Imagens

Talvez interesse

Patricia Sárib, casada, 1 filha, estudante de Letras/Português pela UNIP, artesã no segmento sustentável., DJ espécialista em Flashback dos anos 70, 80, 90 e 2000/2010.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui