Tortura e estupro coletivo: relatos de quem viveu em campos de detenção na China

Qelbinur Sidik, foto: CNN

Essa matéria perturbadora da CNN Internacional mostra a realidade de um país, que ademais a liderança global que pretende, não demonstra respeito algum aos direitos humanos ou à democracia

Por Ivan Watson e Rebecca Wright, da CNN Internacional

No primeiro dia de seu novo trabalho como professora em um centro de detenção administrado pelo governo da China em Xinjiang, Qelbinur Sidik disse que viu dois soldados carregando uma jovem mulher uigur para fora do prédio em uma maca.

“Não havia brilho de vida em seu rosto. Suas bochechas estavam sem cor, ela não respirava”, disse Sidik, uma ex-professora do ensino fundamental que diz ter sido forçada a passar vários meses ensinando em dois centros de detenção em Xinjiang em 2017 .

Uma policial que trabalhava no campo posteriormente disse a ela que a mulher morrera de sangramento intenso, embora ela não tenha dito o que causou isso. Foi a primeira de muitas histórias que a policial contaria a Sidik durante a missão de três meses da professora no prédio fortemente fortificado que abrigava mulheres detidas.

De acordo com Sidik, a policial afirmou ter sido designada para investigar denúncias de estupro no centro por seus superiores, embora a CNN não tenha provas dessa alegação. No entanto, Sidik disse que o que ela ouviu e viu foi tão perturbador que a deixou doente.

Seu testemunho é um raro relato da experiência direta de um trabalhador na vida dentro dos centros de detenção, onde o governo dos Estados Unidos e de outros países alegam que a China está cometendo genocídio contra uigures e outras minorias muçulmanas por meio de uma campanha repressiva de detenção em massa, tortura, controle de natalidade forçado e abortos.

O governo chinês rejeitou as acusações de genocídio e, em um comunicado à CNN, disse que “não há a chamada ‘agressão sexual sistemática e abuso contra mulheres’ em Xinjiang”.

No entanto, Sidik conta que a policial descreveu como seus colegas homens costumavam se gabar disso. “Quando (os guardas) bebiam à noite, os policiais contavam uns aos outros como estupraram e torturaram meninas”, disse Sidik à CNN diretamente de sua nova residência, na Holanda.

Dentro dos acampamentos

De etnia uzbeque, Sidik cresceu em Xinjiang e passou 28 anos ensinando alunos do ensino fundamental com idades de seis a 13 anos. Em setembro de 2016, ela conta que foi convocada para uma reunião no Departamento de Educação do Distrito de Saybagh e ouviu que trabalharia com “analfabetos.”

Em março de 2017, a professora conheceu seus novos alunos – cerca de 100 homens e um punhado de mulheres. “Eles entraram com os pés e as mãos acorrentados”, disse ela.

Em sua primeira aula, Sidik disse que virou-se para o quadro negro apenas para ouvir os detidos atrás dela chorando. “Eu me virei ligeiramente, vi suas lágrimas escorrendo pelas barbas dos homens. As detidas choravam muito”, disse ela.

Os jovens detidos que chegaram aos centros “em forma, robustos e de olhos brilhantes” rapidamente adoeceram e enfraqueceram, disse ela. De sua sala de aula no porão de um acampamento, Sidik disse que podia ouvir gritos. Quando ela perguntou sobre o choro deles, policial teria dito a ela que os detidos estavam sendo torturados.

“Durante o tempo que eu estava ensinando lá, testemunhei uma tragédia horrível”, disse Sidik.

A CNN não tem como verificar o relato de Sidik de dentro dos centros de detenção. No entanto, ex-detentos de Xinjiang disseram à CNN que foram submetidos a doutrinação política e abusos, e os uigures que agora vivem no exterior descreveram parentes desaparecendo na prisão. Documentos vazados fornecidos à CNN mostraram que os uigures podiam ser enviados aos campos por razões como “ter barba ou usar véu”.

O governo chinês alegou que os campos são “centros de treinamento vocacional”, parte de uma estratégia oficial para reprimir o extremismo islâmico violento e criar empregos.

“Não há como ‘arrebanhar milhares de muçulmanos uigures'”, disse Xu Guixiang, porta-voz do departamento de publicidade do Partido Comunista em Xinjiang, em uma entrevista coletiva governamental em 1º de fevereiro.

“O que reprimimos, de acordo com a lei, são alguns líderes hediondos e obstinados e espinha dorsal de grupos extremistas. O que resgatamos são aqueles que foram infectados com extremismo religioso ou cometeram crimes menores.”

Tursunay Ziyawudun
Tursunay Ziyawudun disse que foi levada para uma cela com cerca de 20 outras mulheres, onde receberam pouca comida e água e só tiveram permissão para usar o banheiro uma vez por dia durante três a cinco minutos
Foto: CNN

‘Fui estuprada por uma gangue’

Tursunay Ziyawudun disse que não cometeu nenhum crime quando foi detida pela primeira vez em abril de 2017, depois de voltar para casa no condado de Xinyuan em Xinjiang para obter documentos oficiais. Ela e o marido moravam há cinco anos no vizinho Cazaquistão.

Seu marido, Halmirza Halik, de etnia cazaque, não foi detido e a rastreou até a Escola Profissional do Condado de Xinyuan. “Nós conversamos pelo portão de ferro da escola”, disse Halik, falando por telefone com a CNN do Cazaquistão. “Ela chorou depois de me ver. Eu disse a ela: ‘não tenha medo, você não infringiu a lei e não há nada com que se preocupar'”.

As autoridades libertaram Ziyawudun após um mês na detenção, mas a convocaram de volta ao campo em março de 2018, que ela afirmou ter marcado o início de um pesadelo de 9 meses.

Em declarações à CNN dos EUA, Ziyawudun disse que foi levada para uma cela com cerca de 20 outras mulheres, onde receberam pouca comida e água e só tiveram permissão para usar o banheiro uma vez por dia durante três a cinco minutos. “Aqueles que demoraram mais foram eletrocutados com bastões de choque”, disse ela.

Durante sua detenção, Ziyawudun disse que os guardas a interrogaram sobre seus anos no Cazaquistão, perguntando se ela tinha ligações com grupos de exilados uigur.

Durante uma dessas sessões, ela afirma que os policiais a chutaram e espancaram até ela desmaiar. Outra vez, enquanto ainda estava machucado pela surra, Ziyawudun alegou que duas guardas a levaram para outra sala, onde a colocaram sobre uma mesa. “Eles inseriram um bastão dentro de mim. Eu apaguei”, disse ela.

Dez dias depois, ela conta que um grupo de guardas a tirou de sua cela. “Na sala ao lado, ouvi outra menina chorando e gritando. Eu vi cerca de 5 ou 6 homens entrando naquela sala. Achei que eles a estavam torturando. Mas então fui estuprada por uma gangue. Depois disso, percebi o que eles também fizeram com ela”, contou Ziyawudun disse, em meio a lágrimas. Ela disse que isso aconteceu várias vezes enquanto estava detida nos campos.

“Eles eram extremamente sádicos, causando dor e danos ao corpo ao bater minha cabeça na parede. Era a sua maneira de nos punir.”

As alegações de estupro e tortura de Ziyawudun foram relatadas pela primeira vez pela BBC. A CNN não pode verificar de forma independente as alegações de Ziyawudun, mas são semelhantes aos relatos de Gulbakhar Jalilova, um uigur de etnia uigur do Cazaquistão.

Falando à CNN em julho de 2020, Jalilova descreveu ter sido trancada em uma sala “parecida com uma prisão” com cerca de 20 outras mulheres depois de ter sido detida em maio de 2017.

Jalilova conta que enfrentou um guarda que a agrediu sexualmente. “Eu disse a ele: ‘você não tem vergonha? Você não tem uma mãe, uma irmã, como você pode fazer isso comigo assim?’ Ele me atingiu com o eletrochoque e disse: ‘você não se parece com um ser humano'”, disse ela.

Na noite de 26 de setembro de 2019, depois de ser advertida pelas autoridades chinesas para não falar sobre suas experiências na detenção, Ziyawudun conta que atravessou a fronteira com o Cazaquistão para encontrar seu marido que esperava.

Mas, nos dias que se seguiram, a saúde de Ziyawudun piorou e ela teve sangramento vaginal.

Em 2020, Ziyawudun foi levada às pressas para os Estados Unidos para tratamento médico. Pouco depois de sua chegada, seu útero teve que ser removido cirurgicamente, com registros médicos vistos pela CNN mostrando que ela foi diagnosticada com um abscesso pélvico e sangramento vaginal, além de tuberculose.

Ela disse que culpou suas complicações médicas pelo tratamento nos campos de Xinjiang, embora a CNN não possa verificar essa conclusão.

“(Depois que ela saiu), não me contou nada sobre suas experiências no campo,” disse Halik. “Às vezes ela chorava à noite e eu ficava com muita raiva. Eu sabia que essas coisas que ela vivia não eram boas, mas não me atrevi a perguntar.”

Negações e vergonha

Em uma declaração à CNN, o Ministério das Relações Exteriores da China não abordou as alegações feitas pelas três mulheres diretamente, mas, em vez disso, negou amplamente as denúncias.

“Esperamos que a mídia relevante possa distinguir o certo do errado, não seja enganada por notícias falsas e relatórios tendenciosos”, disse o Ministério das Relações Exteriores, acrescentando que seus centros de treinamento “protegem os direitos básicos, incluindo mulheres, de violação, e é estritamente proibido insultar e abusar dos ‘estagiários’ de qualquer forma”.

A administração da Região Autônoma Uigur de Xinjiang não respondeu aos pedidos para comentar as denúncias.

Em uma entrevista coletiva em 3 de fevereiro, autoridades chinesas apresentaram algumas mulheres de minorias étnicas que, segundo eles, “se formaram” no sistema e “compartilharam como se livraram de pensamentos extremos”.

Eles também disseram que as denúncias de estupro em massa e esterilização forçada eram “pura tolice” e a mídia estatal tem procurado desacreditar as reivindicações dessas mulheres.

Por exemplo, em um artigo publicado em 10 de fevereiro, o jornal Global Times acusou Gulbakhar Jalilova de ser “uma atriz” e Tursunay Ziyawudun de mentir sobre sua esterilização forçada, citando um oficial sênior dizendo que “todos os membros de sua família sabem que ela é inerentemente infértil”.

Ziyawudun disse à CNN que ela teve uma inserção forçada de DIU, não esterilização.

Ela afirmou, ainda, que não tinha motivos para fazer acusações falsas. “Eu sou uma mulher na casa dos quarenta. Você acha que isso é algo que posso ter orgulho de compartilhar com o mundo?” questionou.

“Eu diria a eles que não tenho mais medo deles, porque eles já mataram minha alma.”

De sua parte, Sidik, a professora, disse que foi informada por seu marido que funcionários do governo foram à sua casa e tentaram persuadi-lo por quatro horas para filmar um pequeno vídeo negando as alegações de sua esposa de estar em um centro de detenção.

Ela disse que seu marido lhe pediu para nunca mais voltar a Xinjiang. “Ele me bloqueou novamente no Wechat [aplicativo de troca de mensagens usado na China]. Eu não sei, ele está vivo ou morto agora?”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui