Juiz federal do DF autoriza juízes a importar e aplicar a própria vacina

O pedido foi Associação Nacional dos Magistrados Estaduais e  doses posem ser aplicadas em associados e familiares

Por Rogério Cirino

Na decisão o juiz juiz Rolando Valcir Spanholo afirmou que o órgão deverá analisar as vacinas apenas após a chegada ao país. Também segundo a decisão as doses devem ser “destinadas exclusivamente à imunização do coronavírus de seus associados e respectivos familiares”.

A sentença contraria a lei que permite ao setor privado adquirir vacinas pelo, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a poucos dias. A lei prevê que todas as doses sejam doadas ao SUS.

A justificativa do magistrado para sentenciar à margem do texto legal é de que a “confusa conjuntura política nacional” dificultou a tomada de medidas para impedir o avanço do novo coronavírus no país.

Ademais sua sentença estranha em relação ao poder regulador da autarquia o juiz afirmou que “preserva-se minimamente a competência da Anvisa para atestar a segurança sanitária dos produtos e, de outro, garante-se a agilidade no processo de compra e transporte internacional das vacinas também pela iniciativa da sociedade privada”.

O juíz Spanholo ficou famoso ao passar no concurso da magistratura com muito esforço após trabalhar anos como borracheiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui