Descoberta genética revela que os Cruzados eram na verdade mestiços de árabes e europeus

A história das Cruzadas é frequentemente contada como um confronto de civilizações religiosas sobre a Terra Santa.

No entanto, um novo estudo dos restos mortais de cruzados que viajaram para lutar no Levante desafiou esse ponto de vista, revelando alguns insights surpreendentes sobre a diversidade genética dos exércitos cruzados.

O estudo, publicado no American Journal of Human Genetics, descobriu que os cruzados que viviam no Oriente Latino tinham origens notavelmente diversas, sugerindo que os migrantes europeus frequentemente se misturavam com as populações locais ou outros grupos em seu caminho para a Terra Santa.

De acordo com o Science Daily, Marc Haber do Wellcome Sanger Institute, principal autor do artigo, disse: “Nossas descobertas nos dão uma visão sem precedentes da ancestralidade das pessoas que lutaram no exército dos cruzados. E não eram apenas europeus. Vemos essa diversidade genética excepcional no Oriente Próximo durante os tempos medievais, com europeus, orientais e indivíduos mistos lutando nas Cruzadas e vivendo e morrendo lado a lado. ”

O estudo foi baseado em restos humanos do século XIII retirados de uma cova próxima a uma fortaleza dos cruzados perto de Sidon, no atual Líbano. De acordo com a BBC, nove indivíduos do sexo masculino foram identificados e seus dados genéticos foram comparados com outras amostras históricas regionais e DNA de uma variedade de comunidades modernas.

Os pesquisadores descobriram que apenas três dos indivíduos pareciam ter vindo da Europa Ocidental, enquanto quatro apresentavam evidências de origens no Oriente Próximo. Os dois indivíduos restantes pareciam ser de ascendência mista, combinando ancestrais europeus e do Oriente Próximo.

Segundo o The Guardian, essa evidência sugere fortemente que esses indivíduos eram descendentes de cruzados, comerciantes ou colonos que haviam vindo para a região antes do século XIII e integrados à população local.

Em um caso, os pesquisadores levantaram a hipótese de que um dos pais veio do norte da Espanha ou da região basca, e o outro veio das comunidades berberes do norte da Península Arábica e do sul da Mesopotâmia. A equipe que analisou o cemitério perto de Sidon disse que as descobertas apontam para uma de duas conclusões possíveis. Todos os esqueletos na cova mostraram sinais de trauma físico severo, indicando que eles morreram em batalha.

Um túmulo de soldados cruzados que foi descoberto e analisado no Líbano. (Claude Doumet-Serhal)

A diversidade étnica dos restos mortais sugere que os lutadores de ambos os lados do conflito foram enterrados no mesmo lugar, ou que o exército dos cruzados que defendeu o castelo perto de Sidon era composto por pessoas de ascendência europeia e do Oriente Próximo. De acordo com o The Guardian, os pesquisadores apóiam fortemente a última conclusão, já que tanto as evidências arqueológicas quanto as históricas parecem sugerir que o exército das cruzadas incluía pessoas locais do que hoje é o Líbano.

O professor Jonathan Phillips, da Royal Holloway University em Londres, disse ao The Guardian que há evidências documentais significativas que sugerem que os cruzados se envolveram intimamente com as populações locais, e até mesmo usaram pessoas locais em seus exércitos.

Essa pesquisa genética inovadora fornece mais evidências para suprimir o mito generalizado de que os cruzados tinham pouco a ver com as pessoas que encontraram no Oriente Próximo. As descobertas também oferecem uma narrativa contrária à imagem tradicional da Idade Média caracterizada por um conflito binário entre as sociedades cristã e islâmica.

Em vez disso, como muitos historiadores notaram recentemente, as evidências do Oriente Próximo sugerem um quadro muito mais complexo, no qual ondas sucessivas de populações invasoras e migrantes se mesclaram com os locais e se integraram para formar novos grupos sociais.

Embora as abordagens genéticas por si só não possam iluminar totalmente esse passado complexo, os historiadores estão fazendo uso dessas novas técnicas para complementar a pesquisa documental e arqueológica, a fim de compreender melhor este período fascinante da história do Oriente Médio.

Fonte: The Vintage News

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui