Empresárias do DF se reinventam e dão exemplo de superação na pandemia

Por Mario Espinheira – Agência CLDF

Empreendedoras do Distrito Federal relataram como conseguiram “reinventar” os negócios durante a pandemia em Audiência Pública Remota promovida nesta quarta-feira (31) pela Comissão de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Ciência, Tecnologia, Meio Ambiente e Turismo da Câmara Legislativa. A presidente do colegiado, Júlia Lucy (Novo), ressaltou que as mulheres foram mais atingidas pela crise e que a divulgação das iniciativas estimula novos empreendimentos. “A pandemia trouxe uma outra forma de relacionamento, de consumo, e impôs um novo padrão de trabalho. Enquanto muitas pessoas procuram empregos antigos, há mulheres que reinventaram a sua forma de trabalhar durante esse período e se destacaram”, afirmou a deputada.

Dona da confeitaria Quitutices, voltada para pessoas com restrição alimentar, Inaiá Santana contou que sua proposta é promover inclusão social através da gastronomia, “quebrando o preconceito de que os produtos para restrição são ruins”. Por trabalhar com produtos delicados, não atendia por delivery, mas com a pandemia precisou se readequar, com opções específicas para entrega e adequação de embalagens. “Toda crise tem seu lado bom e traz oportunidades”, afirmou. Ela relatou que a maior dificuldade foi no primeiro lockdown, quando teve de fechar por 15 dias e que, após um ano, a adaptação se tornou mais rápida quanto às novas restrições. Agora, ela planeja abrir loja virtual própria.

Sócia da loja Mescla, especializada em presentes criativos, Maria Júlia Amaral destacou a importância da criatividade que neste momento, para ela, “é essencial”. Entre os diferenciais que oferece, ela destacou a “escultura de flores” e o “over delivery”, estratégia que consiste em entregar mais do que foi pedido pelo cliente. Loja “100% Online”, ela contou que as vendas são feitas principalmente pelo WhatsApp e Instagram. Para a sócia da empresa de moda feminina Bordada de Flor, Adriana Guimarães, o momento é de “se reinventar e não ter medo” e defendeu que as mulheres ajudem “umas às outras”. Ela destacou a contribuição das novas tecnologias e a importância de trabalhar com a “sensibilidade do olhar feminino”: “Se sentir bem é a prioridade. Queremos resgatar a autoestima, levar cor, amor, poesia para o dia a dia de cada mulher”.

Foi a pandemia que fez também a arquiteta Yassmin Awwad criar a AC 15 Arquitetura e Engenharia, juntamente com o marido, que é engenheiro civil. A empresa se especializou na crescente demanda por reforma, adaptação e construção de imóveis gerada pela quarentena, e hoje atua com projetos arquitetônicos e de paisagismo, bem como serviços de engenharia. Ele relatou que a pandemia a fez voltar a “desenhar e exercer a criatividade”. Com perspectiva de crescimento, todo trabalho da AC 15 é feito em equipe: “Somos um time, cada pessoa entende a importância do que faz. A gente quer que todo mundo cresça junto”.

Decidida a “investir em alguma coisa em que se possa transmitir carinho”, Milena Infantini montou em 2013 seu primeiro salão de beleza Orange Beauty Studio, no Sudoeste. Hoje com loja de 300 metros quadrados na Asa Sul, enfrenta diariamente os desafios da pandemia. Segundo ela, “a prestação de serviço foi muito mais prejudicada do que a venda de produtos”. Ela conta que ficou “apavorada” no início e que não houve qualquer ajuda “para quem emprega”. Com atendimento em domicílio, ela disse que luta para “mudar a cultura” de se contratar o profissional e não o salão. “Estou tentando fazer com que as pessoas entendam que aqui sobrevivem muitas famílias”.

Com foco em roupa feminina para adolescentes, Sophia Máximo montou ano passado a 2AM. Com apenas 17 anos de idade, ela contou que a ideia surgiu ao perceber a dificuldade para achar roupas para mulheres mais jovens. “Queria oferecer algo mais exclusivo e trazer mais qualidade”, afirmou. Ela própria desenha os modelos e utiliza o Instagram e o WhatsApp como ferramenta de vendas. “Está sendo uma ótima experiência para me descobrir como pessoa, aprender sobre empreendedorismo e fazer a diferença na sociedade como mulher”. A partir da sugestão de Júlia Lucy, ela afirmou que vai analisar a possibilidade de trazer a produção das peças, hoje feitas em Belo Horizonte, para o Distrito Federal.

Proprietária do Lev Light, Francisca Silva criou em casa uma linha de “comidas fitness”, voltada a “dieta com sabor”. Ela contou que a ideia de criar a empresa teve início com postagens no Instagram das comidas que preparava em casa para consumo próprio. “No comecinho da pandemia, no momento de nervosismo, eu ia para a cozinha, onde eu me descobri. Todo mundo começou a pedir e passei a inovar”. Ela conta que pretende expandir e abrir uma loja, mas que por enquanto prefere atender virtualmente e “pouca gente, prezando pela qualidade”, mesmo porque não conta com ajuda de funcionários devido à pandemia. “Quando tudo isso passar, vamos, se Deus quiser, abrir um local, porque a gente não pode deixar de existir, deixar de sonhar”.

De acordo com Júlia Lucy, o percentual de mulheres no mercado de trabalho regrediu ao alcançado há 30 anos, com a perda de 8,5 milhões de empregos no terceiro trimestre do ano passado. “A gente está vendo um retrocesso escancarado em termos de participação no mercado de trabalho”, frisou. Em compensação, ainda segundo a deputada, “houve explosão de empreendedorismo durante a pandemia”, com 10,9 milhões de registros de Microempreendedor Individual nos primeiros nove meses de 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui