Embaixador da Paz, deputado Luis Miranda, faz palestra para milhares de Coreanos em prol da pacificação das Coreias

A Guerra da Coreia começou em 1950, 70 anos atrás. A guerra terminou não com um tratado de paz, mas com um armistício, deixando a outrora unificada península coreana dividida, apesar de ser habitada por um povo com uma história, uma cultura e um idioma comuns.

Houve aproximadamente 3 milhões de fatalidades como resultado da Guerra da Coreia, às vezes conhecida como a “guerra esquecida”. O destino da península foi controlado não pelo próprio povo, mas pelo ambiente geopolítico mais amplo, conhecido por décadas como a “Guerra Fria” e os interesses dos super poderes.

“Como Embaixador da Paz da Universal Peace Federation e como presidente da Frente Parlamentar Brasil Coreia, tenho grande interesse em contribuir para a pacificação da Península Coreana como base para a paz na Ásia Pacífico e no mundo”, enfatizou o deputado Luis Miranda (DEM).

A Iniciativa de Paz da Federação para a Paz Universal no Nordeste Asiático é dedicada à reunificação pacífica da Península Coreana. Com isso em mente, a UPF organiza uma variedade de programas que reúnem os principais especialistas de uma ampla gama de campos profissionais: governo, acadêmico, sociedade civil, organizações religiosas, mídia, negócios e artes – para explorar as perspectivas de melhoria das relações não apenas entre as duas Coreias, mas também com os demais países interessados ​​na região.

O principal objetivo desse “poder suave” ou abordagem de “diplomática” para a paz é contribuir para a reunificação pacífica da Península Coreana por meio do diálogo, da pesquisa acadêmica e de iniciativas da sociedade civil que criem conexões pessoais. Fatores políticos, militares, econômicos e da sociedade civil são considerados. As iniciativas da sociedade civil incluem conferências, turismo, projetos humanitários e várias formas de envolvimento entre as pessoas.

A UPF acredita que esta iniciativa tomará forma, inicialmente por meio de um processo de etapas, cada uma explorando maneiras de passar de um estado de conflito e tensão, para um relacionamento caracterizado pelo respeito mútuo, cooperação e, eventualmente, reconciliação entre os governos e os povos das duas Coreias.

Os webinars sobre a reunificação das Coreias, pela rede global de Embaixadores da Paz em mais de 150 nações, não só aumentará a conscientização sobre o problema, mas resultará em uma variedade de recomendações que podem ser propostas e eventualmente realizadas. Esta série de webinars da reunificação coreana contribuirá para a construção de vários grupos de trabalho de especialistas, cada qual consistindo de figuras importantes em áreas como relações internacionais, políticas públicas, economia, comércio, desenvolvimento de infraestrutura, intercâmbio entre pessoas, serviço humanitário e artes. A UPF está chamando isto de think tank, ou seja, um tanque de ideias e sugestões para a solução pacífica do problema da Península Coreana.

Fazendo uma retrospectiva histórica, por muitos anos, os fundadores da UPF, Dr. Sun Myung Moon e Dr. Hak Ja Han – ambos nascidos na Coreia do Norte – fizeram grandes esforços para promover a reconciliação entre as Coreia do Sul e do Norte. Trinta anos atrás, eles fizeram uma visita histórica à Coreia do Norte e se reuniram com o então presidente Kim Il Sung para discutir as perspectivas de reconciliação. Essa reunião resultou em uma série de projetos realizados na Coreia do Norte.

Em várias ocasiões, a Federação para a Paz Universal enviou ajuda humanitária aos cidadãos da Coreia do Norte porque a UPF considera altamente desejável usar todas as oportunidades disponíveis para o desenvolvimento de vários tipos de atividades econômicas,  projetos culturais, esportivos e humanitários e intercâmbios com a Coreia do Norte como um meio de envolver Pyongyang, promover a confiança mútua e avançar na integração do país à comunidade mundial. O papel das ONGs é muito importante nesta perspectiva.

Uma das propostas que a UPF defende é o conceito de “zonas de paz. Durante seus discursos nas Nações Unidas em 2000, os fundadores da UPF propuseram o estabelecimento de “zonas de paz” em regiões onde existem conflitos graves, citando a DMZ que divide a Coreia como exemplo. Uma zona de paz serviria como base para negociações contínuas, gestão de refugiados e pessoas deslocadas internamente e para o desenvolvimento de zonas industriais e comerciais que promovam o crescimento econômico e a parceria entre nações ou territórios.

A fim de apoiar o processo de reunificação pacífica da Coréia, a Federação para a Paz Universal apoia a ideia da criação do 5º escritório mundial da ONU na Zona Desmilitarizada, na região de Panmunjom.

O que impulsiona a UPF a trabalhar globalmente é o coração e amor como uma família, para resolver os problemas, a dor e as injustiças que ocorrem em toda parte.

Se a injustiça praticada contra uma pessoa é uma injustiça impetrada contra toda a humanidade, do mesmo modo, o bem feito para uma pessoa ou para um povo, beneficiará toda a humanidade.

Embora estes sejam tempos difíceis, nós devemos continuar plantando as boas sementes, do bem, do altruísmo, do amor e da paz porque quando elas germinarem, o mundo estará melhor.

Galeria

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui