China reforça os laços com a Rússia como ‘força importante para a estabilidade’ após a contundente cúpula da OTAN

China diz que qualquer tentativa de interferir em seu relacionamento com a Rússia é um ‘jogo de soma zero’

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, elogiou os crescentes laços da China com a Rússia na terça-feira (15), dizendo a repórteres que, apesar das preocupações dos países ocidentais, eles são uma “força importante para a estabilidade em um mundo turbulento”.

Os comentários do porta-voz foram feitos apenas um dia depois que os líderes da Otan adotaram uma postura linha-dura contra a China, alertando contra os “desafios sistêmicos” que eles representam “à ordem internacional baseada em regras”.

“É justo dizer que a parceria estratégica abrangente China-Rússia de coordenação para a nova era é multidimensional e para todos os climas”, disse Zhao na terça-feira. “O céu é o limite para a cooperação realista entre a China e a Rússia.”

O presidente Biden exortou outros líderes da OTAN a se posicionarem contra as tentativas da China e da Rússia de romper a aliança entre as nações da América do Norte e a Europa.

“A Rússia e a China estão tentando criar uma barreira em nossa solidariedade transatlântica”, disse Biden.

As relações dos EUA com a Rússia e a China tornaram-se cada vez mais tensas após o aumento dos crimes cibernéticos da Rússia e das violações dos direitos humanos pelo Partido Comunista Chinês (PCC).

A posição unida da OTAN contra a Rússia e a China significaria uma mudança de posição em relação ao seu papel anterior de união política e militar contra ameaças à segurança tradicionalmente representadas pela Rússia.

“Se você olhar para as ameaças cibernéticas e as ameaças híbridas, se olhar para a cooperação entre a Rússia e a China, não pode simplesmente ignorar a China”, disse a chanceler alemã, Angela Merkel, de acordo com a Reuters. “Mas também não se deve superestimá-la – precisamos encontrar o equilíbrio certo.”

Zhao disse que a China não é um “rival sistêmico” da Europa e acusou os EUA de promover políticas anti-China.

“Qualquer tentativa de minar as relações China-Rússia está fadada ao fracasso”, disse ele. “Esperamos que eles não sigam mais no caminho do jogo de soma zero e do confronto político dos blocos.”

Os países do G-7, incluindo EUA, Reino Unido, França, Canadá, Japão, Itália e Alemanha, se encontraram no fim de semana e condenaram a China por abusos relacionados a Xinjiang, Hong Kong e Taiwan.

“Não acho que ninguém em volta da mesa queira entrar em uma nova Guerra Fria com a China”, disse o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson.

Mas as autoridades chinesas condenaram os comentários feitos na cúpula do G-7 e disseram que eles estavam “difamando deliberadamente a China”.

“Os países não deveriam buscar a política do bloco com base nos interesses de pequenos grupos, suprimir diferentes modelos de desenvolvimento tendo a ideologia como parâmetro e ainda menos confundir o certo com o errado e jogar a culpa nos outros”, disse Zhao na terça-feira. “Os EUA estão doentes e isso é ruim.”

Biden deve se encontrar com o presidente russo, Vladimir Putin, na quarta-feira.

FONTE: Fox News

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui