Aras sofre nova derrota, agora no Conselho Nacional do MP

Procuradores que tiveram cargos nas gestões de Aras ficaram de fora da lista tríplice do colegiado

Augusto Aras sofreu uma nova derrota nesta segunda-feira (21/06), desta vez no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Procuradores que tiveram cargos nas gestões de Aras ficaram de fora da lista tríplice do colegiado.

A lista tríplice, que será submetida a Aras, foi composta por José Robalinho Cavalcante, com 459 votos; Roberto Antônio Dassiê Diana, com 409; e Antônio Edílio Magalhães Teixeira, com 376. Havia seis concorrentes.

Os três nomes ligados ao procurador-geral da República não receberam votos o suficiente. Foram eles Pablo Coutinho Barreto, com 367 votos; Anderson Lodetti de Oliveira, com 342; e Maurício Andreiuolo Rodrigues, com 55 votos.

Anderson Lodetti integrou a Comissão de Assessoramento Orçamentário ao PGR, nomeado por Aras. Maurício Andreiuolo foi secretário-geral do CNMP, nomeado por Aras, e depois secretário-geral adjunto do Ministério Público da União, também uma função de confiança. E Pablo Barreto era, até semana passada, titular da Secretaria de Pesquisa e Análise do MPF, um dos mais estratégicos órgãos do MPF, pela qual passam todas as investigações complexas da casa. Até ontem pelo menos o nome dele ainda estava no site como titular, tão recente é a saída. Foi nomeado por Raquel Dodge e mantido por Aras.

No MPF, era dado como certo que, se qualquer um deles fosse para a lista, seriam escolhidos por Aras. Os três, embora tenham participado da gestão Aras, são respeitados tecnicamente e reconhecidos como bons procuradores. Mas colegas temiam que fossem aliados de Aras no CNMP.

Guilherme Amado, Eduardo Barretto, Metrópoles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui