Caiado participa de homenagens a policiais da força-tarefa do caso Lázaro Barbosa

Lázaro Barbosa ficou 20 dias fugindo da força-tarefa

O governador Ronaldo Caiado participou na manhã desta quinta-feira (1) de uma homenagem aos policiais que participaram da força-tarefa nas buscam por Lázaro Barbosa, acusado de ter matado quatro pessoas da mesma família em Ceilândia, Distrito Federal, e de ter fugido para a região de Cocalzinho de Goiás.

Somente in loco eram 270 policiais militares e civis, de Goiás e Distrito Federal, além de policiais federais e policiais rodoviários federais nesta força-tarefa. Policiais do Rio de Janeiro também ajudaram na ação com equipamentos que facilitavam a comunicação no local para os policiais. O Exército disponibilizou rádio de comunicação que tinham grande alcance para as equipes usarem, já que a região tem deficiência no que tange ao sinal telefônico e de internet. Drones, helicópteros e cães farejadores foram usados também na força-tarefa.

Em sua fala, o governador citou todas as equipes envolvidas na força-tarefa e agradeceu a cada um dos policiais que não mediu esforços, segundo o governador, para solucionar o caso.

“Quero dizer a cada um de vocês que hoje vocês são reconhecidos nacionalmente. Rendo homenagem a cada um e cada uma que aqui está. Hora nenhum recuaram. Coragem, raça, determinação, profissionalismo, integração das forças”, continuou Caiado.

Na coletiva de imprensa, o governador destacou o momento importante da segurança pública em Goiás e que o órgão evoluiu muito em relação à gestão anterior.

“Este período que estamos à frente do governo de Goiás tem mudado a segurança. Hoje um cidadão caminha tranquilo pelas ruas, hoje todo mundo vive tranquilo com seu carro nas ruas, as cargas também já não são roubadas nas estradas, então a segurança é uma realidade em nosso estado”.

Caiado também lembrou e prestou homenagens ao policial que acabou baleado por Lázaro Barbosa numa troca de tiros na mata na região de Cocalzinho de Goiás.

“Rendo homenagem a um policial que ao receber um tiro no rosto e no colete, não revidou, porque se tivesse revidado, tinha levado a óbito a família que estava sendo usada como escudo humano”, disse.

Lázaro Barbosa foi morto na última segunda-feira (28/6) após trocar tiros mais uma vez com a polícia. O homem estava escondido da força-tarefa havia 20 dias. Segundo investigações preliminares, Lázaro teria ajuda de outras pessoas em uma suposta organização criminosa.

Thiago Humberto, Diário de Goiás

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui