Bolsonaro na ONU: mundança do marco temporal de terras indigenas afetará segurança alimentar

Presidente discura na abertura da Assmbléia Geral da ONU na terça-feira (21)

Fonte – Reuters (com alterações)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que alertará, em discurso que fará na Assembleia da ONU na próxima semana, sobre os riscos à segurança alimentar do Brasil e do mundo caso o Supremo Tribunal Federal (STF) modifique o chamado marco temporal para a demarcação de terras indígenas.

Na transmissão semanal ao vivo em redes sociais, Bolsonaro afirmou que haverá “impacto direto” na produção do campo, caso o STF não reconheça como linha de corte para a definição de terras indígenas a comprovação de que esses territórios estavam ocupados pelos povos na promulgação da Constituição, em 1988.

Segundo Bolsonaro, a derrubada do marco temporal reduziria consideravelmente a produção agropecuária brasileira, uma vez que abriria caminho para novas demarcações de terras indígenas no país.

Ambientalistas e defensores dos direitos indígenas discordam do presidente e afirmam que as áreas indígenas atualmente reivindicadas e que poderiam ser demarcadas caso seja rejeitada a tese do marco temporal têm uma extensão bem menor do que aponta Bolsonaro, além de garantir a proteção de florestas e rios.

O STF iniciou julgamento de ação que discute a tese do marco temporal, mas este foi interrompido por um pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes.

Na live desta quinta, Bolsonaro afirmou ainda que seu discurso abordará de forma objetiva os interesses do país e suas ações de enfrentamento à pandemia, alvo de críticas tanto domésticas quanto internacionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui