Leclerc e Sainz reclamam de desgaste dos pneus após sexta-feira em Austin

Charles Leclerc e Carlos Sainz deixaram a sexta-feira em Austin reclamando das altas temperaturas na pista e o efeito disso nos pneus. Pilotos buscam equilíbrio antes da classificação

Matéria: GP Mania

Ferrari terminou a sexta-feira (22) de treinos livres para o GP dos Estados Unidos com a esperança de melhora para a classificação. O monegasco Charles Leclerc fechou o dia na sétima posição, enquanto o companheiro de equipe Carlos Sainz foi o nono colocado. A equipe briga contra a McLaren pela terceira posição no Mundial de Construtores.

Leclerc, que completou 41 voltas na sexta-feira, chamou atenção pela alta temperatura da pista, que pode virar um fator determinante para o desgaste dos pneus no domingo. O monegasco quer entender melhor os compostos com a última sessão de treinos livres, que acontece antes da classificação, no sábado.

VERSTAPPEN MANDA DEDO DO MEIO PARA HAMILTON NO TL DA F1 EM AUSTIN. RIVALIDADE FORÇADA? | Briefing

“Em termos das sessões, passamos pelo programa planejado, testando um pouco de tudo. O que foi desafiador foram as ondulações na pista, que tornaram bem difíceis de pilotar. Com as temperaturas altas, gerenciamento de pneus foi um fator chave. Os pneus superaquecem, especialmente no terceiro setor. Você precisa encontrar o equilíbrio perfeito entre acelerar no primeiro setor e perder tempo no último, ou economizar pneus na primeira parte para ser mais rápido no fim da volta. Vamos trabalhar mais no TL3 para entender como podemos otimizar isso antes da classificação”, comentou o monegasco.

Sainz, que foi nono, fez 44 voltas no dia. Com 0,5 ponto de vantagem para o companheiro de equipe na classificação, o espanhol pregou pela necessidade de encontrar um equilíbrio com o desgaste de pneus para alcançar o tempo ideal, e também chamou atenção para o último treino.

“Em termos das sessões, passamos pelo programa planejado, testando um pouco de tudo. O que foi desafiador foram as ondulações na pista, que tornaram bem difíceis de pilotar. Com as temperaturas altas, gerenciamento de pneus foi um fator chave. Os pneus superaquecem, especialmente no terceiro setor. Você precisa encontrar o equilíbrio perfeito entre acelerar no primeiro setor e perder tempo no último, ou economizar pneus na primeira parte para ser mais rápido no fim da volta. Vamos trabalhar mais no TL3 para entender como podemos otimizar isso antes da classificação”, completou.

Fórmula 1 acelera com o GP dos Estados Unidos neste fim de semana, entre sexta-feira e domingo, no Circuito das Américas. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.

Rogério Cirino de Sá Ribeiro, goiano, 51 anos, casado, três filhos. Bacharel em Administração de Empresas pela UNIPLAC. Licenciado em História pela UPIS e MBA em Gestão de Projetos pela ESAD. Empresário do audiovisual desde 2012.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui