EUA ameaça China com retaliação se fornecer ajuda militar à Rússia

Foto: MANDEL NGAN / AFP / CP

Houve uma reunião entre os presidentes dos Estados Unidos e da China nesta quinta-feira

AFP

Poucas horas após uma reunião entre o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente chinês, Xi Jinping, o governo americano divulgou nesta quinta-feira (17) a informação de que a China poderia sofrer retaliação por “apoiar a agressão russa” contra a Ucrânia.

“Estamos preocupados que eles estejam considerando dar apoio direto à Rússia com equipamentos militares que seriam usados na Ucrânia. O presidente Biden falará com o presidente Xi amanhã, dizendo claramente que a China será responsável por qualquer ato destinado a apoiar a agressão e não hesitaremos em impor um custo a isso”, declarou o chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, nesta quinta-feira.

“Vemos com preocupação que a China pretenda dar assistência militar direta à Rússia”, acrescentou.

Este é o aviso mais claro emitido pelos Estados Unidos à China desde o início da invasão da Ucrânia e ocorre poucas horas antes de uma conversa entre os dois presidentes, marcada para sexta-feira.

Esta reunião, a quarta entre os dois líderes desde que Joe Biden assumiu a presidência, busca “preservar canais abertos de comunicação entre os Estados Unidos e a China”, explicou a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, em comunicado.

Uma preocupação constante do presidente Biden é que os Estados Unidos e a China certamente estão fadados a uma competição implacável, mas basta manter o diálogo para que esse confronto não seja gerador de caos em nível internacional.

Os dois líderes vão discutir essa “competição” entre Washington e Pequim “assim como a guerra entre Rússia e Ucrânia e outras questões de interesse comum”, disse Psaki.

Os Estados Unidos elevaram ainda mais o tom ao julgar como “profundamente preocupante” a posição de “alinhamento da China com a Rússia” diante da guerra na Ucrânia durante uma recente reunião em Roma entre o conselheiro de segurança nacional americano, Jake Sullivan, e o número um da diplomacia do Partido Comunista Chinês, Yang Jiechi.

Desde o início da invasão russa da Ucrânia, a China privilegiou sua relação com Moscou, mas essa “amizade ilimitada” foi testada pela guerra, já que o regime chinês do presidente Xi Jinping parece ter sido surpreendido pela resistência ucraniana e pela força das sanções ocidentais.

“A prioridade de Biden (durante o diálogo) será exigir que a China não dê à Rússia os meios para compensar as sanções internacionais”, disse à AFP Ryan Hass, especialista do Brookings Research Institute e ex-assessor sobre China do presidente Barack Obama.

Além de uma possível assistência militar à Rússia, Washington quer impedir que a China ajude Moscou a mitigar o impacto das sanções destinadas a estrangular financeira e economicamente o regime de Vladimir Putin.

 

Helio Rosa, planaltinense, 50 anos, casado, pai de três filhos, graduado em ciências naturais e gestão pública. Jornalista e especialista em Administração Pública e Gerência de Cidades. Fez Agenda 21 e Coleta Seletiva. Foi Conselheiro do CONAM-DF e do CBH-Paranaiba. Está como Presidente do Conselho de Desenvolvimento Nacional - CDN. Ministra cursos de empreendedorismo, terceiro setor, trabalho remoto, economias circular, criativa e compartilhada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui