Governo procura nome para chefiar Conselho da Petrobras após desistência de Landim

Foto: Isac Nóbrega / PR / Divulgação / CP

Presidente do Flamengo quer focar no time de futebol. Substituto, ainda indefinido, será referendado em assembleia em 13 de abril

R7

Após a desistência de Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, para a presidência do Conselho de Administração da Petrobras, o Ministério de Minas e Energia procura por um novo nome que possa ocupar o cargo. O substituto, ainda indefinido, será referendado em assembleia no dia 13 de abril.

“Estamos avaliando, com a responsabilidade que a situação requer, um outro nome para à Presidência do Conselho”, disse o ministério em nota divulgada neste domingo (3).

Veja também:

presidente do Flamengo agradeceu em carta encaminhada ao ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) a indicação ao posto, mas rejeitou a oferta, argumentando que dedicará tempo e esforço ao time de futebol.

“Seria para mim um grande orgulho poder voltar a contribuir para essa tão importante companhia, em especial pela relação que construí durante os mais de 26 anos em que lá estive trabalhando”, disse.

“Como já é de seu conhecimento, fruto de conversas anteriores que tivemos, o meu compromisso com o Flamengo se tornou minha prioridade de vida profissional a partir do momento que os sócios e torcedores do clube depositaram em mim a sua confiança ao me eleger”, completou.

Landim destaca que, caso fosse conduzido à presidência do Conselho da Petrobras, não conseguiria exercer ambas as funções com a excelência desejada e à altura que a estatal e o time de futebol merecem.

A indicação de Landim havia sido feita após a saída do presidente do grupo, almirante Eduardo Bacellar Leal, que deixou a empresa no início do mês de março alegando motivos pessoais.

A estatal também sofreu outra baixa, desta vez na presidência. O presidente Jair Bolsonaro demitiu o então presidente, general Joaquim Silva e Luna, por estar insatisfeito com a política de preços da estatal. O governo indicou, então, o economista Adriano Pires, especialista em óleo e gás, para o posto.

A forma usada pela Petrobras é a PPI (Polícia de Paridade Internacional), que faz com que os preços da gasolina, do etanol e do óleo diesel acompanhem a variação do valor do barril de petróleo no mercado internacional, bem como a do dólar.

Helio Rosa, planaltinense, 50 anos, casado, pai de três filhos, graduado em ciências naturais e gestão pública. Jornalista e especialista em Administração Pública e Gerência de Cidades. Fez Agenda 21 e Coleta Seletiva. Foi Conselheiro do CONAM-DF e do CBH-Paranaiba. Está como Presidente do Conselho de Desenvolvimento Nacional - CDN. Ministra cursos de empreendedorismo, terceiro setor, trabalho remoto, economias circular, criativa e compartilhada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui