Salvar a economia é a pauta dessa eleição, diz Milena Câmara, pré-candidata a deputada distrital pelo PP

Inflação, aumento da pobreza e desemprego. Ninguém duvida que a pandemia e as restrições de circulação afetaram a economia mundial 

Mensagem de Milena Câmara

“Os números mostram isso diariamente. E no Brasil, tudo sobe a cada dia.

Estamos aqui a enxugar as contas, esticar as dívidas, cortar qualidade de vida e parcelar o que for possível.

Não há outro caminho, senão buscar urgente um pouco de alento e segurança econômica para todos. Tenho certeza que esse deverá ser o tema central das eleições deste ano.

Terminado o prazo de mudanças partidárias para quem têm mandato as forças políticas começam agora a se acomodar e o cenário fica mais claro para a população.

O povo começa a entender quem serão os candidatos, de que lado estão e o que se mostram dispostos a fazer pelo país.

Não há como pensar em eleição sem falar de propostas para minimizar esse momento delicado que estamos atravessando. E neste momento, a economia é o tema que mais aflige os brasileiros.

A maioria acredita que a situação econômica vai continuar parecida ao longo deste ano todo ou que vai piorar. É consenso entre analistas que houve um aprofundamento da desigualdade social.

Se os índices econômicos não melhorarem, a tendência é que o eleitor dê mais importância à agenda econômica na hora de escolher seu candidato do que qualquer outro tema de extrema relevância também. Se sobrepondo, inclusive, à saúde, que historicamente aparece no topo da lista das preocupações dos brasileiros.

Acredito que muitos programas sociais para erradicação da pobreza precisam ser mantidos, além da criação de novos auxílios mensais a famílias em situação de vulnerabilidade social.

Mas não basta atender apenas socorrer essa fatia mais pobre que tanto precisa da mão do Estado.

O setor produtivo e industrial, os empreendedores, os profissionais liberais também precisam de estímulos e apoio do governo.

Leio diariamente vários estudos e projeções de variados setores da economia propondo alternativas ao poder público para aumentar a competitividade da indústria para que o Brasil volte a crescer e gerar empregos.

O primeiro passo seria garantir que as empresas que sobreviveram à crise possam se reorganizar e voltar a operar.

Tenho me aprofundado nas ideias que estão sendo debatidas e vejo como viáveis várias delas, como instituir um programa de parcelamento de débitos com a União para permitir que as empresas cumpram suas obrigações tributárias.

Outra solução seria garantir o acesso das empresas às linhas de capital de giro nos fundos constitucionais de financiamento.

O corte de gastos públicos, a reforma administrativa e a regulamentação do teto de remuneração do funcionalismo público são outras medidas que considero essenciais para contribuir com a estabilidade fiscal.

Muitas dessas ações dependem do Executivo, mas o papel do Legislativo- deputados federais e senadores- nesse processo é decisivo.

São eles que darão suporte às leis e debates sobre tudo que possa ajudar o Brasil a virar essa página indigesta. Temos nossa parcela de contribuição em todo esse processo de salvamento que queremos para o país.

Cada brasileiro tem a responsabilidade de saber escolher em outubro seus representantes, quem irá defender as ideias, bandeiras e projetos de lei para termos o país que precisamos e merecemos.

Está em nossas mãos”.

Milena Câmara é advogada especializada em Direito Criminal e Gestão Pública.

Helio Rosa, planaltinense, 50 anos, casado, pai de três filhos, graduado em ciências naturais e gestão pública. Jornalista e especialista em Administração Pública e Gerência de Cidades. Fez Agenda 21 e Coleta Seletiva. Foi Conselheiro do CONAM-DF e do CBH-Paranaiba. Está como Presidente do Conselho de Desenvolvimento Nacional - CDN. Ministra cursos de empreendedorismo, terceiro setor, trabalho remoto, economias circular, criativa e compartilhada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui