Microrrobôs podem revolucionar a medicina regenerativa antes do que imaginamos

FONTE: MEGA CURIOSO

A medicina regenerativa pode ter adicionado uma nova ferramenta ao seu arsenal. A partir de células humanas vivas, cientistas desenvolveram pequenos robôs biológicos chamados “antrobôs”. Embora sejam minúsculos, esses robôs possuem um grande potencial para curar e tratar doenças.

Todo o trabalho começou ainda em 2020, com a criação dos xenobots — uma robótica biológica a partir de células embrionários de sapos. Agora, no entanto, a tecnologia conseguiu ser repassada para ser criada a partir de células de outros organismos, principalmente a de seres humanos.

Mudanças relevantes

(Fonte: Gizem Gumuskaya/Divulgação)(Fonte: Gizem Gumuskaya/Divulgação)

Quando os xenobots foram desenvolvidos pela primeira vez, os pesquisadores não tinham certeza se a capacidade regenerativa desses robôs se dava por conta de suas origens anfíbias. Então, eles queriam descobrir se os chamados “biobots” também poderiam ser criados a partir de células de outros organismos. Os humanos, obviamente, foram os escolhidos para começar com os estudos.

O ponto de partida para os mais novos antrobôs é uma única célula humana adulta retirada da traqueia. Esses tipos de células são cobertos por minúsculas estruturas semelhantes a cílios, que ajudam a manter pequenas partículas fora de nossos pulmões. Ao manipular as condições de crescimento em laboratório, a equipe conseguiu encorajar as células a se replicarem em organoides multicelulares com os cílios voltados para fora.

Com a camada de cílios em forma de remo se batendo, as células tornaram-se capazes de se mover. Algumas variantes de antrobôs foram surgindo aos poucos, com formas ligeiramente diferentes e variando em tamanho entre 30 e 500 micrômetros. Dependendo da disposição dos cílios, eles se moviam de maneira diferente, podendo sobreviver no laboratório por até 60 dias antes de se degradarem naturalmente.

Funcionalidade da tecnologia

A capacidade que os antrobôs têm de mudar de forma é uma de suas várias vantagens. “Ao contrário dos Xenobots, eles não necessitam de pinças ou bisturis para lhes dar forma, e podemos usar células adultas – mesmo células de pacientes idosos – em vez de células embrionárias”, explicou o criador da tecnologia, Gizem Gumuskaya, em comunicado oficial.

Segundo Gumuskaya, esses robôs devem ser usados como uma ferramenta terapêutica no futuro. Uma dessas potenciais aplicações é na cura de feridas. A equipe de estudos observou que quando um grupo de antrobôs foi adicionado aos neurônios cultivados em laboratório, os quais haviam sido danificados ao arranhar a camada de células, esses minúsculos robozinhos estimularam o crescimento de novas células para preencher uma lacuna.

Isso abre brecha para uma série de aplicações potenciais em doenças neurológicas, danos nos tecidos e administração de medicamentos. O fato de células crescerem naturalmente em uma variedade de estruturas mostra que, teoricamente, essa tecnologia pode ser colhida das células do próprio paciente — minimizando qualquer chance de reações imunológicas adversas.

Conforme descrito pelos pesquisadores, é fascinante e inesperado que células traqueais de pacientes, sem ter seu DNA modificado, possam se mover por conta própria e estimular o crescimento de neurônios de uma região danificada. Agora, no entanto, os pesquisadores devem continuar avaliando esse mecanismo de cura para definir os próximos estágios científicos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui