Pedófilo que sequestrou e estuprou menina de 12 anos era militante da esquerda

Por meio de seus perfis no Facebook e no Instagram, Daniel Moraes Bittar militava em favor do PT | Reprodução

Suspeito de estupro promovia o PT nas redes sociais

O analista de tecnologia da informação, de 42 anos, foi preso em flagrante por sequestrar e estuprar uma menina de 12 anos. O suspeito, que trabalha na área de TI, possui um histórico de fazer propaganda a favor do Partido dos Trabalhadores (PT) nas redes sociais. A prisão foi confirmada pela Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) nesta quinta-feira, 29.
Identificado como Daniel Moraes Bittar pelo site do jornal Correio Braziliense, o homem teria cometido os crimes na quarta-feira, 28. Segundo informações da PMDF, ele sequestrou a menina no bairro de Jardim Ingá, em Luziânia (GO), região próxima ao Distrito Federal. Em seguida, dopou a vítima e a levou para seu apartamento na área nobre de Brasília, na Asa Norte.
De acordo com a PMDF, a menina relatou que o homem a rendeu com uma faca e uma mulher a dopou com um pano embebido em clorofórmio. A criança foi colocada dentro de uma mala e quando acordou, já estava na residência do agressor. Policiais do Grupo Tático Operacional do 3º Batalhão da PMDF foram responsáveis pela prisão, encontrando a vítima seminua na cama do agressor, algemada pelos pés e com ferimentos pelo corpo.
Além disso, durante a busca no apartamento do criminoso, a PMDF apreendeu objetos como aparelhos de choque, câmeras fotográficas, materiais pornográficos e objetos sexuais. Suspeita-se que o estupro tenha sido filmado, portanto, os equipamentos eletrônicos serão submetidos a perícia.
No local também foram encontrados uma estufa para o cultivo de maconha e um galão de clorofórmio, substância utilizada para a produção de entorpecentes. O homem de 42 anos foi encaminhado para a 5ª Delegacia do Distrito Federal, enquanto a mulher que o auxiliou ainda não foi identificada pelas autoridades.
Suspeito de estupro promovia o PT nas redes sociais Apesar de ser um pedófilo na vida real, o analista de TI preso por sequestrar e estuprar uma menina de 12 anos apresentava uma persona completamente diferente nas redes sociais. Por meio de seus perfis no Facebook e Instagram, Daniel Moraes Bittar militava em favor do PT.
Durante o segundo turno das eleições presidenciais do ano passado, ele compartilhou uma foto na qual aparece a mão do então candidato petista Luiz Inácio Lula da Silva acompanhada da frase “o amor já venceu o ódio”. Poucos dias antes, conforme afirmou a PMDF, o pedófilo divulgou uma imagem na qual segura uma bandeira do PT durante uma manifestação, ao lado de uma figura de papelão de Lula.
No Facebook, o estuprador militante do PT chegou a usar uma foto de perfil com a marcação “Lula 13”. Imagens nas quais demonstrava confiança nas urnas eletrônicas, além de compartilhar fotos apenas com o logotipo do PT. Em uma das postagens, o analista de TI afirmava que a pedofilia é crime.

 

A descoberta dessas atividades políticas nas redes sociais do criminoso tem gerado repercussão, levantando questões sobre o vínculo entre suas ações criminosas e suas convicções ideológicas. Especialistas alertam que o engajamento político não deve ser utilizado para justificar ou minimizar crimes tão graves como o sequestro e estupro de uma criança.
As autoridades continuarão investigando o caso, buscando identificar possíveis cúmplices e examinando cuidadosamente os materiais apreendidos no apartamento do suspeito. Acredita-se que as evidências coletadas possam ser cruciais para o processo judicial.
A prisão desse militante de esquerda acusado de crimes tão repugnantes desperta debates sobre a responsabilidade política e moral dos indivíduos. Enquanto as investigações avançam, a sociedade aguarda por justiça e pela garantia de que casos como esse sejam punidos de forma rigorosa, independentemente das convicções políticas do agressor.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui