Na divisão, pode dar Reguffe ou Leila do Vôlei

Enquanto as forças políticas do DF se dividem, Reguffe e Leila se juntam

Por Hélio Rosa

Existe uma incógnita, talvez uma anomalia no sistema político, mas tem ajudado a eleger pessoas sem base eleitoral, assim aconteceu com Reguffe (Podemos) e Leila do Vôlei (PSB), ambos ao Senado Federal.

A senadora Leila está numa situação confortável, na disputa eleitoral de 2.022, ela ainda terá mais quatro anos, diferente de Reguffe que acaba o mandato de senador e, de acordo com a sua promessa, não repete mandato, poderá ser vice ou cabeça de chapa, mas mesmo assim depende da Leila que tem como assessor de gabinete, o ex-governador Rodrigo Rollemberg (PSB) que está na articulação.

Leia também:

Advogado denuncia o governador do Amazonas na ONU

FMI revisa para cima previsão de crescimento do Brasil em 20210

Tantos vices para 2.022, o DF e sua crise de identidade política

Enquanto do outro lado, todos são vice de todos. Paula Belmonte (CID) e vice de Izalci (PSDB) ou vice-versa; Flávia Arruda (PL) e Celina Leão (PP), Leandro Grass (Rede) e Reginaldo Véras (PDT), e se caso Ibaneis (MDB) der um voo mais alto, Rafael Prudente (MDB) e Cláudio Abrantes (PDT) – neste caso, Abrantes deve aproveitar a janela partidária e fazer uma chapa puro-sangue.

Na verdade, a centro-esquerda de Brasília está na iminência de voltar ao poder, enquanto houver divisão nas outras tendências partidárias, minha sugestão (se pudesse sugerir algo) neste jogo de xadrez é que aproveitem este ano pré-eleitoral e unam as peças, estejam sempre presentes e juntos para mostrarem força política, senão quem já está unido poderá levar o governo do Distrito Federal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui